LEO SERRANO (Argentina)

Vale do Capao - DançaTecido

Ao logo do/s encontro estabeleceremos formas de conectividade sutil entre os corpos, nos demorando na escuta sinestésica e modos de complementariedade inter-pessoal. Em gradientes iremos nos desdobrando em estruturas-rede que nos permitam estender a nossa escuta para o grupo inteiro, nos afinando através de suportes elásticos e sólidos que corporalizem esses modos de contato ampliado. A busca de fundo aponta à chegada de estados de movimentação coletiva onde as matrizes que vão sendo criadas se sustentem num campo sinérgico unificado.

Vale do Paty - DançaAnfíbia

No percurso do Vale teremos ocasião de intimar com os diferentes riachos onde iremos parando. A medida que a nossa experiência se afine com esses entornos naturais exploraremos modos de adaptar a nossa movimentação sobre as rochas, para logo entrar e sair da água através delas. Para isso, aprofundaremos formas de locomoção baseadas, principalmente, na postura de quadrúpede (quatro apoios), mas, en modos de deitar e rolar sobre as bordas das rochas. Como também haverão práticas em espaços cobertos (chão alisado) faremos exercícios BodyWork que nos preparem para essa DancaAnfíbia. ​​

PROPOSTA

Meu convite é explorar os momentos prévios ao movimento, onde a quietude, a escuta e a intuição se potencializam para dar lugar a um movimento genuíno. Reconhecer o vazio interno e encontrar uma dança despojada de intenções, uma dança que não pretende fazer, senão fluir; que se entrega ao devir. Mergulhamos em nós mesmos para contactar com os outros e assim chegar a um estado meditativo dançante, onde o voo e o solo são extremos de uma mesma corrente.

BIO

Em 2005 me formei em Comunicação das Artes do Corpo (PUC/SP) e descobri o mundo maravilhoso do Contato Improvisação. Passei por muitos professores e festivais, no Brasil, na Argentina e na Europa. Fui idealizadora, anfitriã e cozinheira da Jamta, primeira jam semanal em São Paulo. Dei aulas de CI no Festín (Buenos Aires), no Ballet Folclórico de Tarija (Bolívia), na Casa Jaya (São Paulo); de Jogos de Improvisação no Encontro de CI em Brusquitas (Mar del Plata) e no Espaço Rosane Cobra (SP). Me distanciei das pistas para dançar no cinema: aplicando os fundamentos do CI produzi um filme, que estreia no Brasil em fevereiro próximo. Agora estou mergulhando na pedagogia, investigando a alfabetização através do corpo.

BIO
Conheci o Contact em um encontro comunitário e auto-gestado nas Sierras de Córdoba, há mais de 10 anos. Sinto que nestes espaços e com este espírito é onde o contato e a improvisação se vivem mais intensamente. Desde o começo reconheci como própria a família contactera e segui compartilhando jams e imersões, desde muitas diversas circunstâncias pessoais. Reconheço o CI como catalizador de pensamentos, sentimentos e emoções. Compartilho minhas descobertas e aprendizagens desde o corpo, no duo, na pista. É um desafio e uma alegria poder oferecer meus conhecimentos neste Encontro.



PROPOSTA

Sou especialmente fascinada pelo caráter lúdico do Contato Improvisação. Desfruto essa dança como uma invitação ao jogo, no qual as regras são a lei da gravidade, o princípio da impermanência, o sonho de voar e a síndrome do retorno ao útero. Guiados pelo prazer, os convido a encontrar o "estado de dança", uma dimensão paralela, onde somos mais nós mesmos.

JERONIMO ARIEL (Argentina)

Programação


Esse ano a programação do Encima da Chapada vai ser construída coletivamente de acordo com os interesses e habilidades do grupo, este que está sendo formado, obviamente não por acaso, na constelação espaço/tempo a ser partilhada em breve! Conforme estão se confirmando as participações, novas propostas estarão sendo publicadas aqui. Tambem abrimos espaços paralelos para participantes que queiram compartilhar suas experiencias.

Professores/Facilitadores:















BIO

Léo Serrano é dançarino e artista cênico dedicado à temática da improvisação. Conheceu o Contact Improvisation no ano de 1990 da mão da introdutora desta técnica na Argentina, Alma Falkemberg, se formando no Centro Cultural Ricardo Rojas da Universidade Nacional de Buenos Aires (UBA) nesta técnica, assim como em Release Technique com Trisha BaumanN e Body Mind Centering (BMC) junto a Cathie Caracker. Desde o ano de 2013 dedica-se ao ditado de cursos e workshops no Brasil, direcionados à temática da improvisação por contato, assim como ao campo da Anatomia Experiencial e às Estruturas Aplicadas à Improvisação. Foram sede desses cursos as universidades federais e fundações culturais de: Curitiba (FAP), Sao Paulo (USP), Rio de Janeiro (Sta. Teresa), João Pessoa (FUNESC), Feira de Santana, Salvador (UFBA), Belo Horizonte (Estúdio “Grupo Corpo”; Atelie Dudude), Ouro Preto (UFOP; Escola de Minas), São João del Rei (UFSJR) - dentre outras . Durante os anos 2013-2015 cursou o “Mestrado em Artes Cênicas” e entre 2015- 2018 o “Doutorado em Artes Cênicas” no Curso de Pós-graduação em Artes Cênicas, na Universidade Federal de Bahia (PPGAC-UFBA), com tese final aprovada: "A linguagem da improvisação em Dança Contemporânea: estudo transdisciplinar do campo da práxis". No ano 2017 fez a sua residência universitária no exterior na sede do Instituto Universitario de Lleida (INEFC, Catalunya, Espanha) e no “Estudio Blu”, da Cia. Company Blu, em Firenze (Italia). Reside atualmente na cidade de Salvador (Bahia, Brasil), onde coordena desde o ano 2013 o Projeto de Extensão “SALVAJAM: Lab de improvisação” na sede da Faculdade de Dança da UFBA (Campus Ondina); um laboratório de movimento aberto à comunidade, baseado na transmissão não-hegemónica de experiências.


  MI CHAN CHUNG (Brasil)









​​