LÉO SERRANO (Salvador / Brasil)


Convexidades e Concavidades


Mergulhar os relevos do volume corporal, mapeado como um apanhado de curiosas cimas e vales, manifesto na qualidade de movimentação que se interessa por dar/por receber. Assim, nos jogos adaptativos, em todo 'entre', iremos explorar como nos encaixamos, escorregamos e nos tornarmos, finalmente, líquidos.


HADLEY MAYS (Colorado / EUA)

Umbigo do Planeta em Movimento Contemplativo


Uma exploração animista de meditação em movimento, dança e corpo-terrestre. A prática do movimento contemplativo e a improvisação, investigando nossa terra-corpo-mente. Praticando a presença com o eu, o corpo, o outro e a terra, testemunhamos a Natureza dentro de nós e ao nosso redor, e retornamos à nossa própria expressão incorporada. A meditação de um dançarino ou a dança de um meditador consigo mesmo, entre nós e a Terra. Dança como movimento, expressão e prazer cinestésico. Dança como presença e constante movimento sutil dentro e fora do que é a vida. Dança como respiração... presente incessante. Dança como asas de luz. Dança como oferenda, como esplendor e invocação. Dança como estratégia do ambiente.

Inclinando à nossa união com o planeta, estabelecemos vínculos entre nós intimamente, a nível celular e com o mundo. Um ressurgimento re-imersivo. O corpo terrestre é físico, poético, espiritual, fisiológico, ecológico, social, psicológico, científico, ancestral, em movimento contínuo e magnífico. Nós vamos mover desde, mover com, mapear, tocar, circular, respirar, articular nossa terra-corpo-mente. As técnicas utilizadas como apoio à nossa exploração são Práticas de Dança Contemplativa, Improvisação e Anatomia Experiencial.

Em breve divulgaremos os demais professores e suas propostas.

Vale do Capão - 8 a 15 de janeiro 2018 / Vale do Pati - 16 a 24 de janeiro 2018


Hadley Mays é uma artista interdisciplinar, professora e facilitadora de oficinas. Trabalhou e estudou tradições contemporâneas, antigas e pós-modernas, em diversas culturas. Possui Mestrado de Belas Artes (MFA) em Teatro e Performance Contemporânea, na Universidade de Naropa (Colorado/EUA), em um programa que desenvolveu um novo paradigma em treinamento de performance com base em novas técnicas somáticas, Prática e Vista Contemplativa, teatro mundial e formas de dança.

Léo Serrano é um dançarino e artista cênico dedicado à temática da improvisação.
Conheceu o 'Contact Improvisation' no ano de 1990 da mão da introdutora desta técnica na Argentina, Alma Falkemberg, se formando no Centro Cultural Ricardo Rojas da Universidade Nacional de Buenos Aires (UBA) nesta expressão, assim como em 'Release Technique' com Trisha Bauman e 'Body Mind Centering' (BMC) junto a Cathie Caracker. Desde o ano de 2013 dedica-se ao ditado de cursos e workshops no Brasil, direcionados à temática do CI, da 'Anatomia Experiencial' (Ideokinesis) e às estruturas aplicadas à improvisação em dança. Reside atualmente na cidade de Salvador (BA), onde coordena desde o ano 2013 o ciclo 'SALVA JAM': jams de CI semanais, na sede da Faculdade de Dança da UFBA (Campus Ondina): um laboratório de improvisação voltado para a circulação da experiência e a não-hegemonia de saberes.